dezembro 24, 2007

Feliz Natal


Eu não tenho vistas largas,
Nem grande sabedoria,
Mas dão-me as horas amargas
Lições de filosofia.
.
Engraxadores sem caixa
Há aos centos na cidade,
Que só usam da tal graxa
Que envenena a sociedade.
.
Sei que pareço um ladrão...
Mas há muitos que eu conheço
Que, sem parecer o que são,
São aquilo que eu pareço.
.
Tem a música o poder
De tornar o homem feliz;
Nem há quem saiba dizer
Tanto quanto ela nos diz.
.
Ao chamar-te inteligente,
Ficaste desconfiado.
Por ser um nome diferente
Dos que te têm chamado.
.
Contigo em contradição
Pode estar um grande amigo;
Duvida mais dos que estão
Sempre de acordo contigo.
.
Inteligências há poucas.
Quase sempre as violências
Nascem das cabeças ocas,
Por medo às inteligências.
.
Se o hábito faz o monge
E o mundo quer-se iludido,
Que dirá quem vê de longe
Um gatuno bem vestido?
.
És um rapaz instruído,
És um doutor; em resumo:
És um limão que espremido,
Não dá caroços nem sumo.
.
Não sou esperto nem bruto,
Nem bem nem mal educado:
Sou simplesmente o produto
Do meio em que fui criado.
.
Se umas quadras são conselhos
Que vos dou de boa fé;
Outras são finos espelhos
Onde o leitor vê quem é.
.
Entre leigos ou letrados,
Fala só de vez em quando,
Que nós, às vezes, calados,
Dizemos mais que falando.




António Aleixo

5 comentários:

e-ko disse...

ó pá isto está tão giro, como é que fizeste ?

immortal disse...

:D tão bonito

Feliz Natal a todos!!

Cila disse...

Cristina Feliz natal e é uma originalidade 1 foto sobre o trecho em perpetuo movimento.
Feliz natal a todos quantos participam neste blog
beijinhos

Cristina disse...

e-ko

eu mando-te :)

immortal Beijinhos


Cila, obrigada, ficou bonito, de facto :)

beijos

Anónimo disse...

Para mim isto é mais que um texto em perpetuo movimento...

É bom gosto é poesia do mestre aleixo como só ele sobe fazer.

Tb gosto das fotos. Muito bom.

Tino.